AmazonasAmazôniaCorporativoCuriosidadesEspeciaisHurbMeio AmbienteNaturezaNotíciasSustentabilidade

JBS, Marfrig e Minerva desmatam mais de 800 milhões de árvores em 6 anos

Mais de 800 milhões de árvores foram derrubadas na floresta amazônica em apenas seis anos para atender à demanda mundial por carne bovina brasileira, apesar dos graves alertas sobre a importância da floresta no combate à crise climática. Para se ter uma idéia estamos falando de 17.000 KM Quadrados é o equivalente a 16 Mil estádios do tamanho do Maracanã.

Uma investigação baseada em dados realizada pelo TBIJ, The Guardian, Repórter Brasil e Forbidden Stories mostra uma perda florestal sistemática e vasta ligada à pecuária.

A indústria da carne bovina no Brasil já havia se comprometido a evitar fazendas associadas ao desmatamento. No entanto, os novos dados revelam que 17.000 km² da Amazônia foram destruídos perto de frigoríficos que exportam carne para todo o mundo.

A investigação faz parte do Projeto Bruno e Dom da Forbidden Stories. Ela continua o trabalho de Bruno Pereira, especialista em povos indígenas, e Dom Phillips, jornalista do Guardian, que foram assassinados na Amazônia no ano passado.

O desmatamento no Brasil disparou entre 2019 e 2022 sob o governo do presidente Jair Bolsonaro, sendo a pecuária o principal responsável. A nova administração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva prometeu conter a destruição.

Pesquisadores da consultoria Aid Environment utilizaram imagens de satélite, registros de movimentação de gado e outros dados para calcular a perda florestal entre 2017 e 2022 em milhares de fazendas próximas a mais de 20 frigoríficos. Todos os frigoríficos eram de propriedade dos três maiores exportadores de carne bovina do Brasil – JBS, Marfrig e Minerva.

Para identificar as fazendas que provavelmente forneciam a cada frigorífico, os pesquisadores analisaram as “zonas de compra”; estas são áreas baseadas em conexões de transporte e outros fatores, e, quando possível, confirmadas por entrevistas com representantes das plantas. Todos os frigoríficos exportavam internacionalmente, incluindo para a UE, o Reino Unido e a China, o maior comprador mundial de carne bovina brasileira.

Uma fotografia do desmatamento recente em uma fazenda de gado, com uma paisagem esparsa emoldurada pelos galhos queimados de uma árvore derrubada

A pesquisa focou nos frigoríficos dos estados de Mato Grosso, Pará e Rondônia – importantes fronteiras de desmatamento associado à pecuária. É provável que o número total de desmatamento em fazendas que fornecem à JBS, Marfrig e Minerva seja ainda maior, pois eles possuem outras unidades em outras partes da Amazônia.

Nestlé e a empresa alemã de carnes Tönnies, que forneciam para Lidl e Aldi, estavam entre as que compraram dos frigoríficos destacados no estudo. Dezenas de compradores atacadistas, alguns dos quais fornecem para empresas de catering que atendem escolas e hospitais, também apareceram na lista de compradores.

Parte da carne enviada para a UE poderá violar as novas leis destinadas a combater a desflorestação nas cadeias de abastecimento. Os regulamentos adotados em abril significam que os produtos trazidos para a UE não podem ser associados a qualquer desflorestação ocorrida após dezembro de 2020.

Respondendo às descobertas, Alex Wijeratna, diretor sênior da ONG Mighty Earth, disse: “A Amazônia está muito perto de um ponto de inflexão. Portanto, esses números são muito alarmantes porque a Amazônia não pode se dar ao luxo de perder esse número de árvores… isso tem implicações planetárias.”

A eurodeputada Delara Burkhardt disse que as conclusões reforçam a necessidade de maior legislação global para combater o desmatamento: “A destruição da Amazônia não é um assunto apenas brasileiro. É também uma questão de outras partes do mundo, como a UE, o Reino Unido ou a China, que importam a desflorestação da Amazónia. É por isso que os países consumidores devem promulgar leis sobre a cadeia de abastecimento para garantir que a carne que importam é produzida sem induzir a desflorestação. Espero que a nova lei da UE contra a desflorestação importada seja um modelo a ser seguido por outros grandes importadores, como a China.”

A investigação constatou que 13 frigoríficos de propriedade da JBS estavam ligados a fazendas onde ocorreram desmatamentos, derrubadas ou queimadas. Para Marfrig e Minerva, foram seis e três, respectivamente.

A Nestlé afirmou que dois dos três frigoríficos atualmente não fazem parte de sua cadeia de fornecimento e acrescentou: “Podemos analisar as relações comerciais com nossos fornecedores que não estão compensadores ou são incapazes de preencher lacunas de conformidade com nossos padrões.”

Tönnies declarou: “Essas empresas brasileiras processam muitos milhares de animais por ano para exportação,” e alegou que não estava claro se a empresa havia recebido produtos de plantas associadas ao desmatamento.

Lidl e Aldi disseram que pararam de vender carne bovina brasileira em 2021 e 2022, respectivamente.

Um mapa dos matadouros ligados ao desmatamento na Amazônia

De acordo com uma análise separada do Guardian para o Projecto Bruno e Dom, estas três empresas abateram 5 mil milhões de dólares (4 mil milhões de libras) em gado nos estados da Amazónia em 2022. E têm sido repetidamente criticadas pela desflorestação comprovada nas suas cadeias de abastecimento ao longo da última década.

Outras empresas também são conhecidas por adquirir gado das mesmas zonas de compra.

Nos casos em que toda a cadeia de abastecimento de carne bovina pôde ser mapeada, o estudo encontrou mais de 100 casos de perda florestal em fazendas que abasteciam diretamente as fábricas da empresa desde 2017.

Mais de 20 quilômetros quadrados de floresta foram destruídos em uma única fazenda no Mato Grosso que vendeu quase 500 cabeças de gado para a JBS. A fábrica de carnes da JBS que processava esse gado vendeu carne bovina para o Reino Unido e outros lugares nos últimos anos.

Gado branco brasileiro fica em um pasto perto de uma pequena árvore, de frente para o fotógrafo

 A fazenda Fazenda São Pedro do Guaporé, em Pontes e Lacerda, também esteve ligada ao fornecimento indireto de mais de 18 mil animais pelos três frigoríficos entre 2018 e 2019. No entanto, as três empresas disseram que atualmente não são abastecidas pela fazenda .

Mais de 250 casos de desmatamento foram atribuídos aos chamados fornecedores indiretos – fazendas que criam ou engordam o gado, mas o enviam para outras fazendas antes do abate. (Algumas fazendas atuam como fornecedores diretos e indiretos).

As empresas de carne há muito que afirmam que monitorizar os movimentos entre explorações nas suas complexas cadeias de abastecimento é demasiado difícil.

TBIJ, The Guardian e Repórter Brasil descobriram um dos primeiros exemplos concretos de lavagem de gado em 2020. Em seguida, a equipe, que incluía Dom Phillips, mostrou que vacas de uma fazenda sob sanção por desmatamento ilegal haviam sido transportadas em caminhões da JBS para uma segunda , fazenda “limpa”. Após a publicação da matéria, a JBS disse que deixou de comprar das duas fazendas, ambas de Ronaldo Venceslau Rodrigues da Cunha.

No entanto, nossa investigação descobriu que Da Cunha agora fornece a Marfrig, outro dos três grandes frigoríficos do Brasil. Uma de suas fazendas, a Fazenda Estrela do Aripuanã, no estado de Mato Grosso, ainda está sob sanções, mas continua fazendo parte da cadeia internacional de abastecimento de carne bovina.

Os registros mostram que, entre 2021 e 2022, quase 500 animais foram movimentados pela mesma rota investigada pelo TBIJ em 2020. O gado foi parar na mesma segunda fazenda “limpa”, a Fazenda Estrela do Sangue, que não tem embargos ou outras sanções ambientais.

Imagem de satélite de uma fazenda mostrando vários galpões e uma casa de fazenda no ponto onde duas estradas de terra se encontram em um cruzamento. Além do pequeno aglomerado de edifícios, o pasto se estende em todas as direções

Documentos separados mostram dezenas de animais se deslocando da Fazenda Estrela do Sangue para o frigorífico Tangará da Serra, da Marfrig.

No ano passado, outra investigação do TBIJ relacionou a usina Tangará da Serra à invasão da Terra Indígena Menku, em Brasnorte.

De acordo com os registros de embarque, a fábrica vendeu mais de £ 1 bilhão em produtos de carne bovina desde 2014 para China, Alemanha, Espanha, Itália, Holanda e Reino Unido.

Em nota, a Marfrig confirmou que recebeu gado de Da Cunha, dizendo: “A cada transação que faz, a Marfrig verifica a situação do gado fornecedor das propriedades. No momento do abate, a fazenda em questão atendia aos critérios socioambientais da Marfrig, ou seja, a propriedade não estava localizada em área com desmatamento, embargo ou trabalho forçado, nem em unidade de conservação ou terras indígenas.”

Acrescentou: “A Marfrig condena a prática denominada ‘lavagem de gado’ e quaisquer outras irregularidades. Todos os fornecedores homologados pela empresa são verificados regularmente e devem atender aos critérios socioambientais obrigatórios descritos na política vigente da empresa.”

A Minerva disse que “acompanha o estado das fazendas, garantindo que o gado adquirido pela Minerva Foods não seja originário de propriedades com áreas desmatadas ilegalmente; possuem embargos ambientais ou se sobrepõem a terras indígenas e/ou comunidades tradicionais e unidades de conservação”.

A JBS questionou a metodologia de “zonas de compra” utilizada na pesquisa e disse que bloqueou a fazenda São Pedro do Guaporé “assim que foi identificada qualquer irregularidade”. Quando questionado, não especificou a data.

What’s your Reaction?
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
Posts relacionados
DestinosDestinos NacionaisDicas de ViagemHurbTurismoViagens

Aproveite as Maravilhas de Foz do Iguaçu com Conforto Extra

Corporativo

Hurb Anuncia a Entrada de Malcolm Bricklin ao Conselho de Administração

HurbO que fazerRomânticoUncategorized

Pensando em casar? Separamos os destinos mais românticos para fazer seu pedido

BrasilHotéisMeio AmbienteSudeste

Hotel Fazenda no Sudeste: refúgio perfeito para quem busca paz e tranquilidade em meio à correria do dia a dia