América do NorteDicas de ViagemEstados Unidos

Visto americano: o que você precisa saber para solicitar o seu

É lei: os brasileiros que desejam entrar nos Estados Unidos devem portar o visto americano. Por se tratar de uma documentação relativamente complexa e que envolve diferentes etapas, é comum que muitas pessoas tenham dúvidas na hora de emiti-la ou não saibam nem por onde começar — especialmente aqueles que são marinheiros de primeira viagem rumo aos EUA.

Se esse é o seu caso e você não sabe ao certo nem por onde começar, não se preocupe. Você não está só e o Hurb preparou este conteúdo completo para tirar suas principais dúvidas sobre o tema. Acompanhe a leitura até o fim e confira!

Visto americano: o que é esse documento? 

Emitido pelo país de cidadania do viajante, o visto é um documento exigido por diferentes governos para a entrada de estrangeiros em suas respectivas fronteiras. A terra do Tio Sam não é o único país a demandá-lo, e até mesmo o Brasil tem diferentes regulamentações acerca do tema. 

Na maioria das vezes, além de conter informações pessoais — como nome, data de nascimento e nacionalidade —, o visto também informa o motivo da visita (estudos, turismo, tratamento médico, trabalho, etc), geralmente por meio de um código. No caso dos Estados Unidos, o visto americano nada mais é que um adesivo que será anexado junto ao seu passaporte.

Quais os tipos de visto existentes?  

Como citado anteriormente, o visto determina o motivo da visita de um estrangeiro a outro país. Atualmente, os Estados Unidos disponibiliza cerca de 30 tipos diferentes de visto para não imigrantes e pouco mais de 10 para imigrantes. Eles são identificados por códigos e, na documentação, aparecem sob o título de de type/cass.

Turismo

Identificado com o código B, esse tipo de visto é destinado a quem pretende visitar os Estados Unidos temporariamente a passeio, a negócios, para a realização de um tratamento médico ou participar em eventos sociais. 

Estrangeiros com essa documentação não serão autorizados a trabalhar, estudar ou realizar estágios no país. Os visitantes poderão ficar de 90 a 180 dias nos Estados Unidos a cada entrada, desde que comprovados vínculos e a intenção de retorno ao país de origem. 

Estudos

Existem três modalidades de visto de estudante: o destinado a alunos que irão ingressar em universidades, cursar aulas de idiomas ou mesmo fazer o high school, recebe o código F; os chamados cursos vocacionais, como um curso de formação aeronáutica, por exemplo, leva o código M; por último, trainees e estagiários recebem o código J e não terão permissão de realizar nenhum tipo de trabalho além daquele associado ao seu treinamento profissional. 

O tempo de permanência permitido por cada uma dessas modalidades de visto depende de diferentes fatores, mas especialmente da duração do curso a ser realizado. Em sua maioria, os visitantes com vistos de estudante podem ficar até um ano nos Estados Unidos. 

Trabalho

Como você já deve ter percebido, a maioria dos vistos americanos não permitem que o viajante trabalhe no país. Esse tipo de permissão é mais facilmente obtido por profissionais de determinadas áreas que desejam fazer trabalhos sazonais ou temporários, como jornalistas ou profissionais da mídia, atletas, artistas ou profissionais do entretenimento, ou tripulantes aéreos.

Imigração               

As categorias de visto destinadas à imigração são mais restritas e específicas a quem já tem vínculos com algum cidadão, crianças estrangeiras adotadas por cidadãos americanos, trabalhadores religiosos, pessoas altamente qualificadas, profissionais já contratados por uma empresa norte-americana ou em transferência. 

Independentemente da área em que se atue, ser contratado por uma empresa do país é o jeito mais fácil de conseguir um visto americano que conceda direitos legais de trabalho ao estrangeiro. Por meio do Employer Sponsored Visa, o próprio empregador será responsável por protocolar documentos específicos junto ao Serviço de Imigração, o que elimina alguns vários degraus do processo burocrático. 

Outra possibilidade é observar trabalhos que tenham escassez de mão de obra no país. Anualmente, o governo emite cerca de 60 mil vistos nesta modalidade. Porém, a burocracia é grande. Além de se tratarem de áreas muito específicas e que costumam exigir alto grau de qualificação, também é necessário obter, junto ao Departamento do Trabalho, um documento que comprove que não há cidadãos americanos aptos a realizarem a função do requerente. 

Visto norte-americano vs. Green Card: quais as diferenças?     

Caso você esteja se perguntando como o visto americano se diferencia do Green Card, o Hurb explica. O principal ponto é que o Green Card, ainda que possa ser revogado, não tem data de validade e portanto não limita a duração da estadia do estrangeiro em solo estadunidense. Em outras palavras, é ele quem garante a residência permanente nos Estados Unidos. 

Quais as principais etapas do processo de emissão do visto?

Agora que você já conhece os principais tipos de vistos emitidos pelos Estados Unidos e já sabe qual a melhor modalidade que se encaixa nos seus planos de conhecer o país, chegou a hora de descobrir como iniciar esse processo. Vamos lá!

Preenchimento do formulário DS-160

A primeira etapa para a emissão do visto americano pode ser realizada online. Trata-se do preenchimento do DS-160, o Requerimento de Visto para Não-Imigrantes, que costuma levar cerca de 90 minutos. 

O governo americano permite que os requerentes contem com o auxílio de outras pessoas durante o processo. Recorra a esse tipo de ajuda caso você ainda não se sinta tão confiante no inglês, uma vez que todas as informações submetidas devem estar no idioma. Além disso, o site também recomenda a utilização dos navegadores Chrome ou Firefox para uma melhor navegação.

Já nesta fase, é necessário ter em mãos documentos como passaporte, itinerário de viagem (caso as passagens já tenham sido compradas), currículo e outras informações de escolaridade e/ou empregadores, caso você esteja solicitando visto de estudante ou de trabalho.

Pagamento de taxas

Após o preenchimento do formulário, é hora de pagar as taxas para a emissão do visto, o que pode ser feito por meio de um cartão de crédito ou mesmo via boleto. Os valores pagos não são reembolsáveis, mesmo que ao fim do processo o visto seja negado. 

Turistas, visitantes em tratamento médico e algumas modalidades de profissionais pagam uma taxa única, chamada de MRV, que custa USD 160,00 (em torno de R$ 800,00 na conversão atual). Estudantes acadêmicos, intercambistas e vocacionais devem, ainda, pagar uma taxa extra.

Taxa SEVIS

A taxa SEVIS é exigida para a maioria dos estrangeiros que desejam ingressar nos EUA para dar continuidade aos estudos. Ela é destinada à manutenção de um sistema que acompanha e monitora os estudantes estrangeiros que participam do sistema educacional norte-americano, assim como as escolas que os recebem.  

O valor cobrado varia conforme a modalidade de estudo, que implica em um tipo de visto diferente. Considerando valores atuais das moedas:

  • estudantes em programas de intercâmbio: USD 220,00 (um pouco mais de R$ 1000,00);
  • estudantes acadêmicos ou vocacionais: USD 350,00 (cerca de R$ 1800,00);
  • estudantes em programas de au pair ou work/travel: USD 35,00 (em torno de R$ 180,00). 

Visita ao CASV

Com o intuito de acelerar o processo de solicitação do visto, a embaixada americana criou o Centro de Atendimento ao Solicitante de Visto (CASV). Separados dos consulados, nesses espaços os viajantes finalizam o cadastro antes da entrevista e, em alguns casos de renovação, cuidam de todo o processo quando a entrevista não é mais necessária. 

Neste dia será coletada a biometria e feita a foto para o visto. Você deverá ter em mãos os seguintes documentos:

  • passaporte atual com validade superior a seis meses além do período de estadia nos Estados Unidos; 
  • impressão da página de confirmação do DS-160;

impressão da página de confirmação e instruções do agendamento da entrevista

  • uma foto 5x5cm colorida, com menos de 6 meses e em fundo branco;
  • cópias de qualquer documentação que suporte o requerimento do visto e comprovem, entre outras coisas, o propósito da viagem, a intenção de partir dos EUA, evidência de laços familiares e empregatícios no país de origem, capacidade de custear a viagem;
  • nos casos de renovação, pede-se também o passaporte contendo o último visto dos Estados Unidos.

Tanto a visita ao CASV como a entrevista podem ser agendadas virtualmente

Preparação para a entrevista

Apesar de gerar ansiedade em muitas pessoas, a entrevista não é nenhum bicho de sete cabeças. Manter a calma e a transparência são fundamentais. Basta se ater às informações contidas nos seus formulários e suas chances de aprovação já serão satisfatórias. 

Comumente, as perguntas feitas buscam confirmar o propósito da sua ida aos Estados Unidos, além de confirmar seus vínculos com o país de origem e suas condições de arcar com os custos da viagem. 

Entre outras, as perguntas mais frequentes são:

  • para qual cidade você pretende ir?
  • quanto tempo deseja ficar nos Estados Unidos?
  • vai viajar com quem?
  • qual sua renda mensal?
  • com o que você trabalha? 
  • com quem você mora?
  • como é a sua relação como seus familiares mais próximos?

Outras perguntas específicas sobre profissão e/ou estudos também podem ser feitas, novamente com o intuito de atestar que as informações apresentadas no DS-160 são verídicas. 

Caso você tenha domínio do inglês, apenas informe isso ao oficial e deixe que ele decida em qual idioma conduzir a entrevista. Não há a necessidade de tentar fazer esta etapa em inglês por achar que isso facilitará a aprovação do visto — a entrevista pode ser feita em português sem problema algum. 

A entrevista

A entrevista é sempre realizada em um consulado norte-americano. Se possível, evite levar aparelhos eletrônicos, inclusive celulares, uma vez que eles não são permitidos. Escolha um traje confortável, mas minimamente formal. Bermudas, rasteirinhas e blusas de alcinha não são permitidas em instituições governamentais. 

Onde fazer a entrevista para o visto norte-americano? 

Apenas cinco capitais do país têm consulados americanos. Confira abaixo o endereço e o telefone para contato de cada um deles:

  • São Paulo (SP): Rua Henri Dunant, 500, (11) 3250-5000;
  • Brasília (DF): Avenida das Nações, Quadra 801, Lote 03, (61) 3312-7000;
  • Recife (PE): Rua Gonçalves Maia, 163, (81) 3416-3050;
  • Rio de Janeiro (RJ): Avenida. Presidente Wilson, 147, (21) 3823-2000;
  • Porto Alegre (RS): Avenida Assis Brasil, 4320, (51) 3345-6000.

O que fazer ao ter o visto americano negado?

É cada vez mais raro, mas infelizmente ainda acontece. Caso você tenha a infelicidade de ter o seu visto negado, será necessário iniciar todo o processo de requerimento novamente — inclusive o pagamento das taxas. 

A boa notícia é que não existe um tempo mínimo de espera e você pode entrar como uma nova solicitação imediatamente se assim desejar. Porém, recomenda-se que você procure entender o que motivou a negativa. 

Entre os principais motivos para a não aprovação do visto estão a falta de vínculos com o Brasil e a apresentação de documentos incompletos ou incorretos, assim como não aplicar para a modalidade de visto mais adequada — todas situações que podem ser contornadas em um próximo requerimento. 

Quanto tempo o visto demora para ser emitido?

Já ao fim da entrevista você saberá se teve seu visto americano aprovado ou negado. Porém, o documento físico chegará ao endereço informado em cerca de 10 dias úteis. O processo como um todo, porém, pode facilmente durar mais do que um ano. 

Por conta da pandemia do novo coronavírus, as embaixadas dos Estados Unidos ficaram cerca de um ano sem emitir novos vistos de turismo. O atendimento presencial nos Consulados para as entrevistas voltou a ser feito apenas em novembro de 2021, o que gerou um acúmulo e consequente atraso nas solicitações.  

Atualmente, alguns consulados têm filas de mais de um ano para o agendamento da entrevista, como é o caso de Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. As maiores esperas são para quem busca emitir o visto de turismo. As demais modalidades, inclusive as de estudante, são consideradas de emergência e permitem o agendamento em até dois dias úteis.

De toda forma, é importante se programar com antecedência para evitar que os prazos necessários para o andamento da burocracia não interfiram de maneira negativa nos seus planos de viagem. 

O que saber após ter o visto emitido?

Ufa! Você finalmente tem o visto em mãos: mas e agora? Como ler as informações ali contidas e quais os principais cuidados que você deve ter com esse documento tão importante? O Hurb apresenta a seguir quatro importantes dicas. Confira!

Informações

Antes de mais nada, é importante conferir todas as informações presentes no seu visto. Caso qualquer informação esteja incorreta ou diferente da apresentada no seu passaporte, será necessário entrar em contato com a embaixada ou com o consulado responsável pela emissão do seu documento. 

Validade

Na maioria das vezes, o visto americano tem validade de 5 anos. Porém, esse não necessariamente é o período de permanência permitido nos Estados Unidos, assim como não significa que um estrangeiro poderá sair e reentrar no país quantas vezes bem entender. Tudo isso dependerá da modalidade de visto solicitada no início da aplicação.

Renovação

Ao fim da validade do visto será necessário refazer todo o processo, inclusive o pagamento das taxas exigidas. Em alguns casos, a etapa de entrevista é dispensada na renovação do documento. Caso o seu passaporte expire antes do visto, você deverá entrar nos Estados Unidos em posse dos dois documentos.

Furto, roubo ou perda

O governo americano recomenda que os viajantes façam uma cópia do visto, assim como da página do passaporte que contém as informações pessoais. Em caso de furto, roubo ou perda desses documentos, será necessário reportar o ocorrido à polícia local — independentemente de onde o incidente ocorra. A posse das cópias facilita a substituição dos documentos, que deve ser solicitada em uma embaixada ou consulado de fora dos Estados Unidos.

Como se preparar para a viagem?

Depois de tanta burocracia para conseguir o visto americano, a última coisa que você quer é dor de cabeça na hora de embarcar, não é mesmo? Não se preocupe, o Hurb tem mais algumas dicas para que essa tão esperada viagem ocorra da melhor maneira possível. 

Passagens

Ainda que ter um itinerário definido possa facilitar a emissão do visto, o próprio governo americano recomenda que as passagens só sejam emitidas após a documentação ser aprovada. 

Planeje bem a sua viagem e pesquise sobre os destinos de interesse. Assim como o Brasil, os Estados Unidos são um país de dimensões continentais, o que influencia diretamente em mudanças climáticas e também culturais de uma região para a outra. 

Falando em clima, esta é outra dica importante. Com estações bem definidas, é interessante entender essas variações e se programar para as estações mais frias caso você deseje viajar mais próximo do fim do ano. Se esse não for o seu caso, é só aproveitar o calor de julho, especialmente na costa oeste do país. 

Hospedagens

Assim como a modalidade do seu visto, a escolha da hospedagem também pode ser influenciada pelo propósito da sua viagem. Estudantes podem contar com opção de estadia na própria universidade ou na casa de cidadãos americanos, os chamados homestays

Para quem viaja a lazer, pousadas, hostels, e hotéis costumam ser a melhor opção, mas essa escolha também pode variar dependendo de quem irá embarcar com você — uma viagem em família pode pedir mais conforto, enquanto um passeio entre amigos pode exigir um pouco menos de luxo.    

Além disso, existe a possibilidade de adquirir pacotes que unam passagens e hospedagem. Essa é uma boa opção para quem quer mais comodidade na hora de fechar a viagem, uma vez que é possível contratar uma única empresa que já tenha ofertas prontas e adequadas a você e sua família.

Seguro

Como diz o ditado, o seguro morreu de velho. Nunca sabemos com quais emergências podemos nos deparar ao longo de uma viagem. Considere a possibilidade de contratar um seguro viagem que cubra ao menos a perda e/ou o extravio de suas bagagens, especialmente se essa for sua primeira viagem internacional — afinal, quanto menos dor de cabeça melhor, não é mesmo? 

Se possível, faça um check up antes de viajar e leve sua condição de saúde em consideração para entender se há também a necessidade de contratar um seguro médico ou odontológico. Para alguns tipos de visto, como algumas modalidades do visto de estudante, a contratação de uma assistência médica internacional é obrigatória.

Documentação

Antes da viagem, confira mais uma vez se todas as documentações estão em dia, com todas as informações corretas e dentro de seus respectivos prazos de validade. Tenha as mais importantes, como visto, passaporte e comprovante de vacinação em mãos antes do embarque, de preferência organizadas em uma única pasta. Por garantia, também é válido manter cópias digitais acessíveis no seu celular.

Além de todas as documentações necessárias para a emissão do visto, uma muito importante não pode ser negligenciada na hora do embarque: a carteira de vacinação. A comprovação da vacina contra a COVID-19 é obrigatória para brasileiros e deve ter sido ministrada em um intervalo de pelo menos 10 dias. 

Para que seja válida na imigração dos EUA, é necessário apresentar a carteirinha de vacinação internacional ou Profilaxia (CIVP), fácil e gratuitamente emitida em qualquer posto da ANVISA.

Embarque 

Visto emitido, passagens compradas, hospedagem reservada e documentação em mãos: chegou a tão aguardada hora do embarque! Lembre-se de chegar com antecedência no aeroporto — as companhias aéreas chegam a solicitar até 4 horas de antecedência, a depender do local de partida e do período da viagem. 

Estude as regras de bagagem do seu bilhete para não ultrapassar os limites de peso e também para não precisar se desfazer de nenhum item na hora do raio-x. Alguns produtos aerossóis e líquidos em grandes quantidades são proibidos na mala de mão durante voos internacionais, que costumam ter regras mais rígidas que os voos domésticos. 

Sem dúvidas, tirar o visto americano é um processo longo e complexo que pode lhe custar algumas noites de sono. Porém, com o preparo adequado e algum planejamento, será possível passar por todas as etapas aqui apresentadas sem maiores surpresas. 

Caso ainda tenha alguma dúvida sobre como tirar o visto americano, é só deixar a sua pergunta nos comentários abaixo. O Hurb está aqui para ajudar! Já passou por tudo isso e teve o visto aprovado? Queremos ouvir suas dicas!

Posts relacionados
Dicas de Viagem

Conheça 6 destinos imperdíveis para o Réveillon 2023

Dicas de Viagem

Sem dor de cabeça internacional: entenda o que é e quando usar o seguro viagem

Dicas de Viagem

Vai viajar? Saiba como tirar ou renovar seu passaporte no Brasil

Destinos InternacionaisDicas de Viagem

5 benefícios que você terá ao contratar um seguro viagem